O Biólogo > Cientistas iniciam preservação de recifes de corais em oceano profundo

CIENTISTAS INICIAM PRESERVAÇÃO DE RECIFES DE CORAIS NO OCEANO PROFUNDO

Recifes de águas profundas são amplamente inexplorados e desprotegidos

Quando as pessoas pensam de recifes de corais, eles pensam naqueles recifes rasos, cheios de criaturas do mar e peixes tropicais iridescentes que quase qualquer pessoa, com um snorkel e um maiô, pode ver.

Mas muito mais profundo no oceano, abaixo de 100 metros de profundidade, existe um outro tipo de recife de coral. Estes recifes de águas profundas, muitos dos quais estão mapeados e inexplorados, precisam de proteção. É isso que dizem os cientistas marinhos, em comentário publicado a dias atrás na revista Nature Climate Change.

Esses recifes são frequentemente chamados de "mesophotic" - que encontram a luz do ambiente - porque estão localizados na camada mais profunda do oceano que ainda recebe a luz solar.

"Você tem todo um ecossistema, que é em grande parte sem proteção, nos recifes de corais mesophotic.", disse John Guinotte, biogeógrafo marinho do Instituto de Conservação Marinha.

Recifes Mesophotic são importantes porque podem fornecer um refúgio essencial para muitas espécies que são moradores de recifes rasos.
Habitats de recifes rasos estão em declínio, em parte devido a fatores como o branqueamento de corais - o que acontece quando os oceanos se aquecem muito para os corais - e a acidificação dos oceanos - que é causada pelo excesso de dióxido de carbono liberado pelo homem na atmosfera.

"Recifes mais profundos são menos suscetíveis a eventos de branqueamento porque eles estão em águas mais frias. Eles também são menos vulneráveis ​​a danos causados ​​por tempestades violentas", disse Guinotte.

Recifes rasos também são cada vez mais acossados por atividades locais, como o desenvolvimento costeiro, sobre pesca e poluição.

Um estudo do Instituto Mundial de Recursos concluiu que mais de 60% dos recifes do mundo enfrentam ameaças imediatas.

O estatuto de Património Mundial da Grande Barreira de Corais está agora sob revisão, devido a uma variedade de riscos que enfrenta, incluindo o desenvolvimento de grandes portos de carvão na costa australiana (ClimateWire , 30 de abril).

Um recurso esquecido
"Durante muito tempo, os cientistas negligenciaram os recifes de águas mais profundas - de 100 a 500 metros de profundidade - porque são difíceis de explorar", disse Guinotte.

Mas os avanços tecnológicos como a disponibilidade de veículos operados remotamente relativamente baratos abriram estes recifes para a ciência, e algumas das pesquisas mostram que eles estão conectados em aspectos importantes aos sistemas de recifes rasos.

Um trabalho na Austrália Ocidental, por exemplo, mostrou que, quando os recifes rasos experimentam branqueamento, algumas larvas de coral vêm dos recifes profundos para recolonizá-los.

Rafe Sagarin, ecologista marinho da Universidade do Instituto de Meio Ambiente, que estava familiarizado com o papel do Arizona, disse que uma questão-chave no estudo foi que os autores destacam a capacidade dos recifes mais profundos para agir como um refúgio ecológico para os recifes de coral de lugares mais rasos.

Refúgios não mapeados precisam de proteção
"O que é novo é pensar os corais mesophotic ​​como uma estratégia adaptativa, não apenas para os riscos das mudanças climáticas, mas a todo o conjunto de ameaças que os corais estão enfrentando agora", disse Sagarin.

Autores do estudo pedem um maior esforço para mapear os recifes mesophotic, já que muitos deles ainda não foram catalogados.

"Uma forma barata de fazer isso é usar um modelo de habitat preditivo para determinar onde os recifes mais profundos tendem estar", disse Guinotte do Instituto de Conservação Marinha. "E posteriormente, verificar as áreas que o modelo prevê como altamente adequado para esses recifes".

Países poderiam proteger esses recifes mais profundos expandindo suas áreas marinhas protegidas existentes, como Israel fez no Mar Vermelho após a descoberta de recifes mesophotic encontrados lá.
______________________________________________________________________
Fontes:
Scientific American


0 comentários:

Postar um comentário